Remicade (infliximabe): SUS e plano de saúde devem fornecer

Remicade (infliximabe): SUS e plano de saúde devem fornecer

 

SUS (e plano de saúde) deve fornecer medicamento Remicade (Infliximabe), decide Justiça

 

O medicamento remicabe (infliximabe) possui registro na Anvisa, entretanto, mesmo com expressa indicação médica, pessoas têm encontrado dificuldade em viabilizar o medicamento pelo SUS tendo em vista ser um remédio de alto custo. O advogado especialista em ações contra planos de saúde, Elton Fernandes, afirma que é possível exigir que o SUS deve fornecer Remicade (infliximabe).

 

Neste sentido, frente a forte resistência estatal em prover o medicamento de direito dos cidadãos, é de suma importância procurar um advogado especialista em SUS, munido de relatório médico indicando a necessidade e a urgência em obter o medicamento.

 

Quer entender melhor como isto funciona? Leia este artigo preparado pelo escritório Elton Fernandes - Advocacia Especializada em Saúde e se informe sobre:

 

  1. Quais documentos são necessários para comprovar o direito ao medicamento?
  2. Quanto tempo leva para estar com o medicamento em mãos para o inicio do tratamento?
  3. Qual o entendimento do Tribunal de São Paulo?

 

Clique no botão e continue a leitura!

Continuar Lendo

 

Como comprovar o direito ao medicamento Remicade (Infliximabe) frente ao SUS?

Para buscar na Justiça a garantia de que SUS deve fornecer Remicade (infliximabe), além da prescrição médica será necessário um relatório detalhado, demonstrando o estado de sua doença, ressaltando a importância do tratamento via Remicade (Infliximabe) e os prejuízos que podem ocorrer se não for utilizado.

 

Neste sentido, além de comprovar por meio de relatório médico que o fármaco é o único capaz de melhorar o estado clínico do paciente, deve-se comprovar que o cidadão não tem condições de arcar com o altíssimo valor do medicamento.

 

O SUS tem como dever garantir ao cidadão acesso à saúde, no entanto, a saúde pública tem muita dificuldade em auxiliar os indivíduos no acesso aos medicamentos prescritos pelo médico para o tratamento necessário. Desta forma, mesmo constando expressamente na Constituição Federal que todo cidadão brasileiro tem direito a vida e saúde, deve-se respeitar as limitações do estado na garantia destes direitos.

 

Significa dizer que, embora todo cidadão tenha direito à saúde, é necessário cumprir alguns requisitos para viabilizar medicamentos de alto custo como o infliximabe pelo SUSCom tais documentos em mãos, ressalta-se a importância de procurar um advogado especializado em ações contra o SUS a fim de evitar riscos desnecessários e sanar todas as dúvidas remanescentes.

 

Qual o entendimento da Justiça em relação ao fornecimento de infliximabe pelo SUS?

O entendimento da Justiça é geralmente positivo, determinando que SUS deve fornecer Remicade (infliximabe), assim como os planos de saúde. O Tribunal de Justiça de São Paulo, por exemplo, tem assim decidido:

 

APELAÇÃO CÍVEL – Fornecimento gratuito de medicamento – Espondilite Anquilosante – Infliximab 10mg (Remicade). 1. Falta de interesse processual – Inocorrência – Desnecessidade de prova de requerimento administrativo prévio. 2. Tutela constitucional do direito à vida (artigos 5º, caput e 196 da Constituição Federal) – Dever de prestar atendimento integral à saúde – Irrelevância do fármaco não se encontrar na lista dos medicamentos padronizados – Violação ao princípio constitucional da separação dos poderes não configurada. Recurso voluntário e reexame necessário desprovidos.

 

APELAÇÃO. Mandado de Segurança. Recolite ulcerativa crônica. Necessidade de uso contínuo do medicamento Remicade (infliximabe). Fármaco não disponibilizado no SUS para o tratamento da doença que acomete a impetrante. Direito à saúde. Inexistência de infração às normas e princípios que informam a Administração e, em especial, o SUS. Possibilidade de fornecimento de genérico, respeitado os princípios ativos e dosagens. Sentença que concedeu a segurança mantida. Recurso de apelação e reexame necessário desprovidos

 

APELAÇÃO e REEXAME NECESSÁRIO - Ação de obrigação de fazer - Pessoa hipossuficiente, e portadora de "Retocolite Ulcerativa Inespecífica (RCVI) e Artropatia Inflamatória" (CID K51) - Medicamento prescrito por médico (Infliximabe - Remicade) Obrigação do Município - Legitimidade passiva e solidariedade dos entes públicos - Direito fundamental ao fornecimento gratuito de medicamento - Aplicação dos arts. 1º, III, e 6º da CF - Princípios da isonomia, da tripartição de funções estatais e da discricionariedade da Administração não violados - Falta de padronização do bem pretendido, limitação orçamentária e teoria da reserva do possível Teses afastadas - Cominação de multa, em obrigação imposta a ente público - Viabilidade RECURSO VOLUNTÁRIO NÃO PROVIDO E REEXAME NECESSÁRIO PROVIDO PARCIALMENTE, com observação. 1. Solidária a responsabilidade dos entes públicos (art. 196 da CF), há legitimidade passiva do demandado isoladamente ou em conjunto, ainda que não se incluam todos os corresponsáveis solidários, observado o litisconsórcio facultativo (não necessário). 2. Os princípios da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, da CF) e da preservação da saúde dos cidadãos em geral (art. 6º da CF) impõem ao Município a obrigação de fornecer, prontamente, medicamento necessitado, em favor de pessoa hipossuficiente, sob responsabilidade solidária dos entes públicos (art. 196 da CF). 3. Havendo direito subjetivo fundamental violado, não há ofensa aos princípios da isonomia, da tripartição de funções estatais e da discricionariedade da Administração, e, no quadro da tutela do mínimo existencial, não se justifica inibição à efetividade do direito ofendido sob os escudos de falta de padronização ou de inclusão do bem em lista oficial, de limitações orçamentárias e de aplicação da teoria da reserva do possível. 4. É viável a cominação de multa, a título de astreinte, ao Poder Público, em obrigação que lhe é imposta por sentença. 5. Honorários advocatícios fixados com moderação e por equidade, em desfavor da Municipalidade.

 

AGRAVO DE INSTRUMENTO – MANDADO DE SEGURANÇA – FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO – MEDIDA LIMINAR – INSTRUMENTOS COERCITIVOS DESTINADOS AO CUMPRIMENTO DA TUTELA MANDAMENTAL PROVISÓRIA – MULTA DIÁRIA – Decisão agravada que deferiu a medida liminar pleiteada no mandamus, no sentido de compelir a autoridade apontada como coatora a providenciar, no prazo de 15 dias e sob o risco de incorrer em multa cominatória de R$ 10.000,00/dia em caso de inadimplemento, o fornecimento do fármaco "INFLIXIMABE (REMICADE)", destinado ao tratamento de "RETOCOLITE ULCERATIVA CRÔNICA INESPECÍFICA" (CID 10 K51), segundo os critérios de posologia indicados em relatório médico - inadmissibilidade de fixação da multa cominatória como ferramenta de coerção indireta ao cumprimento da medida liminar deferida em mandado de segurança – eventual descumprimento deliberado e inescusável da ordem mandamental, ainda que provisória, que já configura crime de desobediência, nos termos do art. 26 da Lei Federal nº 12.016/2009 - decisão parcialmente reformada, de modo a afastar a cominação de astreintes em detrimento da autoridade impetrada. Recurso da Fazenda Estadual provido

 

Note que o direito do paciente ao fornecimento do medicamento infliximabe pelo SUS tem sido destacado pela Justiça, sempre que cumpridas as exigências. No caso abaixo, é possível notar a importância de apresentar um bom relatório clínico justificando a necessidade e a eficácia do medicamento para acessá-lo pelo SUS:

 

ASSISTÊNCIA À SAÚDE. São Roque. Retocolite crônica. Remicade (infliximabe). Fornecimento. – O impetrante tem direito aos medicamentos necessários ao seu tratamento, porém precisa apresentar em juízo um diagnóstico claro, o relatório do tratamento feito, o resultado dos medicamentos já utilizados e a justificativa para prescrição dos medicamentos solicitados. Os documentos que instruíram a inicial são insuficientes para comprovação do direito pretendido e o mandado de segurança não permite dilação probatória, portanto correta a sentença. – Segurança denegada. Recurso do impetrante desprovido.

 

Portanto, o paciente que possui prescrição médica para uso do remédio e tiver recusada sua solicitação pelo SUS poderá ingressar com ação judicial para liberar rapidamente seu tratamento na Justiça. 

 

Munido da indicação do médico para uso do remédio e preferencialmente de um bom relatório clínico que diga seu estado de saúde e a necessidade urgente de uso do medicamento, consulte um advogado especialista em SUS.

 

Assim como o SUS, planos de saúde devem custear infliximabe (Remicade) e podem ser condenado na Justiça a fornecer o medicamento, ainda que seja um medicamento de alto custo ou que esteja fora do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Confira:

 

PLANO DE SAÚDE - Negativa de cobertura para tratamento com a medicação "Infliximabe" - Abusividade configurada - Rol da ANS que prevê expressamente a cobertura obrigatória para terapia imunobiológica endovenosa para quadro de Doença de Crohn - Ausência de provas do alegado descumprimento das diretrizes de utilização - Existência, na verdade, de indícios em contrário - Obrigação de custear o tratamento reconhecida - Honorários advocatícios devidamente fixados com base no valor da causa - Ausência de proveito econômico direto à autora - RECURSOS NÃO PROVIDOS.

 

É possível conseguir o Remicade (Infliximabe) em quanto tempo?

Com um relatório médico detalhado em mãos comprovando a necessidade do medicamento e sua urgência em utilizá-lo, é possível viabilizar o fornecimento do infliximabe pelo SUS em 48hrs, por intermédio de decisão liminar.

 

É importante destacar que a liminar é uma medida excepcional adotada pela Justiça quando há dois requisitos presentes em determinando processo, sendo estes:

 

  1. Demonstrar probabilidade do direito da pessoa em conseguir o Remicade (Infliximabe), que será evidenciada pelos documentos apresentados ao Juiz.

    Sendo assim, para cumprir este requisito é necessário demonstrar ao Juiz fortes evidências de que o Remicade (Infliximabe) é de fato necessário para o bem estar do paciente e que a sua falta causar grandes prejuízos e comprovar que ele não possui condições de arcar com tal medicamento.

  2. Demonstrar o perigo na demora de aguardar o processo finalizar para viabilizar tal medicamento.

    Sendo assim, há necessidade de demonstrar ao Juiz que se a pessoa que precisa do medicamento aguardar o fim do processo para ter acesso ao Remicade (Infliximabe), poderá sofrer danos irreversíveis ou muito severos ao seu estado clínico.

 

Desta forma, comprovada a urgência do caso, via de regra, o Juiz dará uma decisão em 48hrs a partir do momento em que se iniciar o processo, determinando um prazo para que o Estado/governo viabilize o medicamento ao paciente.

 

Acompanhe o vídeo abaixo e entenda mais sobre o que é liminar e o que acontece depois da análise da liminar:

 

 

É possível estabelecer multa diária em caso de descumprimento de decisão, obrigando que o Estado entregue o infliximabe  na data por ele determinada.  Esta multa, ao final do processo, será revertida em favor do autor da ação, a fim de remunerar os transtornos causados.

 

Importante frisar que a liminar é um instrumento jurídico utilizado em situações excepcionais: caso o Juiz não sentir confiança nas alegações apresentadas e nos documentos juntados ao processo, pode negar o pedido liminar.

 

A negativa do pedido liminar não significa que o processo está perdido, mas somente que o Juiz não enxergou urgência grande o suficiente para obrigar o custeio do medicamento antes mesmo de ler a defesa do Estado para a negativa.

 

Portanto, novamente ressaltamos a importância de se procurar um advogado especialista em ações contra SUS, pois alegações mal esclarecidas podem causar um grande tempo de espera para conseguir o medicamento.

 

O SUS pode me negar o Remicade (Infliximabe)?

Se houver indicação médica, não. O SUS não pode recusar atender a prescrição médica, desde que seja comprovado:

 

  • Registro na Anvisa: o remicade já possui registro na Anvisa e, está liberado tanto para a comercialização quanto para a fabricação em território nacional.

  • Incapacidade financeira: o paciente tem que comprovar que não tem capacidade financeira de pagar custear o Remicade (Infliximabe) sem prejuízo de seu sustento. Caso você não tenha condições de cobrir o tratamento, você pode solicitá-lo pelo SUS e, caso o órgão público negue fornecer a medicação você poderá entrar com uma ação judicial com o auxílio de um advogado especialista no Direito da Saúde.

  • Quem nem um outro medicamento na lista de cobertura do é igualmente eficaz: o médico deve afirmar que não existe outro medicamento na lista do SUS igualmente eficaz para tratar a doença.

 

Sendo assim, havendo necessidade de utilizar este medicamento e o Sistema Único de Saúde recusando o fornecimento, procure um advogado especialista em SUS para evitar transtornos e viabilizar o medicamento.

Ainda com dúvidas? Fale com um especialista

O escritório Elton Fernandes – Advocacia Especializada em Saúde possui experiência em ações contra o SUS, ações contra seguros, ações contra planos de saúde, casos de erro médico ou odontológico e casos de reajuste abusivo no plano de saúde.

 

Não importa se seu plano de saúde é Bradesco, Sul América, Unimed, Unimed Fesp, Unimed Seguros, Central Nacional, Cassi, Cabesp, Notredame, Intermédica, Allianz, Porto Seguro, Amil, Marítima Sompo, São Cristóvão, Prevent Senior, Hap Vida ou qualquer outro plano de saúde, pois todos têm obrigação de fornecer o medicamentob, assim como o SUS.

 

Para falar com um dos nossos especialistas, você pode enviar um e-mail para contato@eltonfernandes.com.br. Caso prefira, ligue para (11) 3141-0440 envie uma mensagem de Whatsapp para (11) 97751-4087 ou então mande sua mensagem abaixo.

 

Siga nossas redes sociais e saiba mais sobre Direito da Saúde:

Elotuzumabe (Empliciti) pela Sul América? Saiba como conseguir!   Facebook     Elotuzumabe (Empliciti) pela Sul América? Saiba como conseguir! Instagram    Elotuzumabe (Empliciti) pela Sul América? Saiba como conseguir! Youtube

Acompanhe o Dr. Elton Fernandes, especialista em ações contra planos de saúde, na imprensa:

 Clique e acompanhe Elton Fernandes no programa Mulheres            Clique e acompanhe Elton Fernandes no programa Santa Receita        Clique e acompanhe Elton Fernandes na Rádio Justiça

 

Fale com a gente