Erlotinibe (Tarceva): planos de saúde e SUS devem custear

Erlotinibe (Tarceva): planos de saúde e SUS devem custear

A Justiça determina que os planos de saúde devem custear erlotinibe (Tarceva), assim como ocorre com o Sistema Único de Saúde (SUS), para todos os pacientes que apresentarem prescrição médica indicando a necessidade do medicamento.

 

O erlotinibe é utilizado no tratamento de pacientes com câncer, geralmente câncer de pulmão de células não pequenas e câncer de pâncreas, mas igualmente pode ser indicado, à critério médico, para uso off label (tratamento fora da bula).

 

“Este medicamento, indicado para o tratamento do câncer pelo médico de sua confiança, tem cobertura obrigatória por todo e qualquer plano de saúde. (...) Todo e qualquer contrato tem a obrigação de fornecer este medicamento ao paciente sempre que houver indicação médica”, afirma Elton Fernandes,
especialista em Direito da Saúde.

 

O médico de confiança do paciente é a pessoa mais qualificada para prescrever o melhor tratamento. Vale ressaltar também que todo e qualquer médico poderá prescrever o uso do Tarceva, mesmo fora da rede credenciada ao plano de saúde.

 

  • Por que os planos de saúde se negam a fornecer o erlotinibe?
  • O que devo fazer caso meu plano de saúde negue a cobertura?
  • É possível ter acesso ao erlotinibe pelo SUS? Quais são os critérios?

 

Se você possui prescrição médica e necessita do medicamento erlotinibe 25 mg, erlotinibe 100 mg ou erlotinibe 150 mg, continue acompanhando este artigo e saiba como obter o fornecimento pelo seu plano de saúde ou então pelo SUS!

Continuar Lendo

 

Por que os planos de saúde se negam a custear erlotinibe?

Muitas vezes, os planos de saúde negam a cobertura do erlotinibe alegando que a prescrição médica não preenche às Diretrizes de Utilização Técnica da ANS (Agência Nacional de Saúde), que limitam o fornecimento da medicação a casos específicos.

 

De acordo com a ANS, a cobertura do erlotinibe é obrigatória para casos de câncer de pulmão de não pequenas células não escamoso, quando indicado em primeira linha nos pacientes com doença metastática ou irressecável com mutação nos éxons 19 ou 21.

 

No entanto, a Justiça entende que os planos de saúde devem custear erlotinibe (Tarceva) mesmo que a indicação não atenda às Diretrizes da ANS. O grande critério é o que determina a Lei dos Planos de saúde, como lembra o advogado Elton Fernandes:

 

“Todo e qualquer contrato se submete à lei, o rol de procedimentos da ANS é inferior à lei, e a Lei dos Planos de Saúde garante o acesso a esse tipo de medicamento”, esclarece o especialista.

 

Veja: o Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS e suas diretrizes de utilização são orientações MÍNIMAS aos planos de saúde. Além disso, são normas inferiores à lei que não podem limitar o acesso dos pacientes aos tratamentos.

 

A liberação de medicamentos fora do rol da ANS ou que não preencham às diretrizes da Agência Nacional de Saúde Suplementar é bastante comum na Justiça. Por esse motivo, você não precisa aceitar a negativa de cobertura e deve lutar pelo seu direito.

 

Meu plano de saúde negou a cobertura do erlotinibe. O que fazer?

Com o auxílio de um advogado especialista em ação contra planos de saúde você poderá mover uma ação judicial e obter, judicialmente, o direito de receber o custeio do medicamento pelo seu plano de saúde.

 

“A primeira coisa que você deve providenciar é solicitar que seu plano de saúde envie por escrito a razão da negativa. É seu direito exigir deles a razão pela qual eles recusaram o fornecimento deste medicamento. A segunda coisa que você deve providenciar, então, é pedir que seu médico faça um relatório clínico minucioso sobre seu caso”, alerta o advogado.

 

O fato de ser um medicamento de uso domiciliar também não deve utilizado pelo plano de saúde para negar a cobertura. No mesmo sentido, o direito à vida deve prevalecer, o que obriga o SUS a fornecer erlotinibe. Confira as decisões abaixo:

 

REEXAME NECESSÁRIO – Ação Civil Pública – Saúde – Medicamento - Portadora de neoplasia maligna no pulmão, com múltiplos nódulos pulmonares – Presente a necessidade de se proteger o bem maior, o direito à vida, correta a decisão que manda fornecer o medicamento pleiteado – Sentença mantida – Reexame necessário desprovido. 

 

Apelação. Ação cominatória. Plano de saúde coletivo. Fornecimento de medicamentos importados não nacionalizados para tratamento de Hepatite C crônica. Recusa do plano de saúde. Medicação não prevista no rol da ANS. Irrelevância. Súmula 102 do TJSP. Abusividade reconhecida. Prescrição da medicação que compete ao médico especialista, e não à operadora do plano de saúde. Recurso improvido. 

 

Plano de saúde. Tratamento quimioterápico negado. Abusividade reconhecida. Alegação da ré de que o medicamento não possui cobertura contratual e não consta no rol dos procedimentos obrigatórios instituído pela ANS, além de ser de uso domiciliar. Inadmissibilidade. Rol que prevê somente a cobertura mínima obrigatória. Havendo expressa indicação médica, não prevalece a negativa de cobertura do custeio ou fornecimento de medicamentos associados a tratamento quimioterápico. Inteligência da Súmula 95 do TJSP. Dano moral. Ocorrência. Estresse emocional que não configurou mero aborrecimento. Quantum indenizatório reduzido. Astreintes mantidas. Recurso parcialmente provido.  

 

Em ações contra os planos de saúde, com uma liminar o paciente consegue ter acesso ao tratamento, não raramente, em 48 horas. Já contra o SUS costuma demorar um pouco mais, mas o direito do paciente é garantido da mesma forma.

 

Saiba mais sobre o que é liminar e o que acontece depois da análise da liminar assistindo ao vídeo abaixo sobre o tema:

Quais os critérios para ter acesso a um medicamento pelo SUS?

Para ter acesso a medicamentos como o erlotinibe pelo SUS, três critérios devem ser observados caso a medicação não faça parte da lista que é fornecida pelo sistema:

 

  • registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária);
  • ausência de outro medicamento (no SUS) capaz de fazer o mesmo efeito;
  • comprovação de que o paciente não possui dinheiro suficiente para arcar com o tratamento.

 

Ainda tem dúvidas sobre o fornecimento de medicamentos como erlotinibe pelo plano de saúde ou pelo SUS? Então, entre em contato com um advogado especialista em Direito da Saúde, conheça seus direitos e lute por eles!

Consulte um especialista e tire suas dúvidas

A equipe do escritório Elton Fernandes – Advocacia Especializada em Saúde possui ampla experiência em casos que envolvem erro médico ou odontológico, reajuste abusivo no plano de saúde, ações contra planos de saúde, SUS, seguradoras, entre outros.

 

Não importa se seu plano de saúde é Bradesco, Sul América, Unimed, Unimed Fesp, Unimed Seguros, Central Nacional, Cassi, Cabesp, Notredame, Intermédica, Allianz, Porto Seguro, Amil, Marítima Sompo, São Cristóvão, Prevent Senior, Hap Vida ou qualquer outro plano de saúde, pois todos têm obrigação de fornecer o medicamento.

 

Para falar com um dos nossos especialistas, você pode enviar um e-mail para [email protected]. Caso prefira, ligue para (11) 3141-0440 envie uma mensagem de Whatsapp para (11) 97751-4087 ou então mande sua mensagem abaixo.

 

Siga nossas redes sociais e saiba mais sobre Direito da Saúde:

Lonsurf coberto pela Bradesco Saúde? Veja agora!   Facebook     Lonsurf coberto pela Bradesco Saúde? Veja agora! Instagram    Lonsurf coberto pela Bradesco Saúde? Veja agora! Youtube

Acompanhe o Dr. Elton Fernandes, especialista em ações contra planos de saúde, na imprensa:

 Clique e acompanhe Elton Fernandes no programa Mulheres            Clique e acompanhe Elton Fernandes no programa Santa Receita        Clique e acompanhe Elton Fernandes na Rádio Justiça

Fale com a gente