Sul América deve cobrir o Lorbrena (lorlatinibe)? Descubra!

Sul América deve cobrir o Lorbrena (lorlatinibe)? Descubra!

Sim. O plano de saúde Sul América deve cobrir Lorbrena (lorlatinibe), a todo paciente acometido por câncer de pulmão. O entendimento é da Justiça que, em diversas sentenças, já garantiu o acesso a este remédio a muitos segurados do convênio.

 

Segundo Elton Fernandes, advogado especialista em ações contra planos de saúde, a recusa é classificada como conduta abusiva e descumpre a legislação do setor. Nesse sentido, você não deve aceitar a negativa do plano de saúde, muito menos pagar pelo tratamento, pois, conforme o advogado, é possível conseguir na Justiça a obrigação do convênio em custear o Lorbrena.

 

Com ampla experiência em Direito à Saúde, Elton Fernandes relata que, não raramente, pacientes conseguiram o acesso a este medicamento em poucos dias após o ingresso da ação judicial.

 

Entenda como agir para garantir seu direito ao remédio prescrito por seu médico de confiança. Continue a leitura deste artigo, preparado pela equipe do escritório Elton Fernandes - Advocacia Especializada em Saúde e saiba:

 

  • O que define a obrigatoriedade de cobertura do Lorbrena pelo plano de saúde?
  • Mesmo fora da bula, posso ter o medicamento custeado pela Sul América?
  • Por que a negativa do convênio ao Lorbrena é abusiva?
  • Como é possível obter o Lorbrena rapidamente através da Justiça?
Continuar Lendo

 

Por que o Lorbrena (lorlatinibe) é um medicamento de cobertura obrigatória pela Sul América?

A Sul América deve cobrir Lorbrena (lorlatinibe) porque esse é um medicamento indicado para o tratamento de pacientes adultos com câncer de pulmão de não pequenas células (CPNPC) avançado, positivo para quinase do linfoma anaplásico (ALK), previamente tratados com um ou mais inibidores da tirosina quinase (TKIs) ALK.

 

De acordo com Elton Fernandes, este remédio tem registro sanitário na Anvisa (Agência  Nacional de Vigilância Sanitária) desde 2019 e, somente por isto, já tem a cobertura contratual assegurada em lei por todo e qualquer plano de saúde.

 

"Havendo cobertura para a doença, consequentemente deverá haver cobertura para procedimento ou medicamento necessário para assegurar o tratamento”, explica.

 

O medicamento pode ser fundamental para o tratamento do paciente e cabe ao plano de saúde garantir que ele tenha acesso a todo o tratamento prescrito.

 

Se for indicado para tratamento off label, o convênio ainda deve cobrir?

Sim. O advogado relata que a Justiça tem confirmado o entendimento de que a Sul América deve cobrir Lorbrena (lorlatinibe) e cabe ao médico o conhecimento técnico-científico para receitar o tratamento mais adequado ao paciente, não podendo o plano de saúde interferir na conduta médica.

 

"O fato de ser um uso não reconhecido em bula não tira do paciente o direito ao tratamento, mesmo que algo do gênero estiver escrito em contrato, já que a lei sempre irá prevalecer sobre o contrato", diz o advogado Elton Fernandes.

 

Dessa forma, mesmo que a indicação médica seja para uso off-label do Lorbrena - ou seja, para doença que não consta em sua bula -, o convênio deve cobrir o tratamento prescrito pelo médico do segurado.

 

Como a Justiça tem se posicionado sobre a negativa do convênio ao Lorbrena?

Nesse sentido, Elton Fernandes reforça que todo e qualquer contrato se submete à lei, incluindo os planos de saúde. Por isso, a negativa ao fornecimento do Lorbrena tem sido classificada como abusiva pela Justiça. Sabemos que o principal motivo para a recusa de fornecimento do plano de saúde ao tratamento com o Lorbrena é a economia, já que se trata de um medicamento de alto custo.

 

Mas ao negar o fornecimento ao paciente, o convênio justifica que, por não estar listado no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), o Lorbrena não tem cobertura contratual obrigatória.

 

“A lei determina que todo medicamento que tenha registro sanitário no Brasil pela Anvisa seja fornecido pelo plano de saúde aos pacientes. Não importa que o rol de procedimentos da ANS não contempla o medicamento que você precisa. Tampouco é relevante que o medicamento que você precisa não estiver indicado em bula para a sua doença", afirma o especialista.

 

Vale lembrar, no entanto, que o rol da ANS é uma lista meramente exemplificativa do mínimo que um plano de saúde deve cobrir, não do máximo. Isto porque sua atualização é lenta e não consegue acompanhar o surgimento de novos procedimentos e medicamentos, gerando a defasagem entre o que está autorizado pela Anvisa e o que consta no rol da ANS.

 

De que forma posso obter o Lorbrena rapidamente através da ação judicial?

O advogado explica que é possível conseguir o Lorbrena rapidamente na Justiça porque as ações judiciais, geralmente, são feitas com pedido de liminar, também conhecido como tutela de urgência.

 

A liminar é uma decisão provisória que pode ser proferida logo no início da tramitação, antecipando o direito que o paciente pode alcançar no final do processo. Confira:

“Liminares são rapidamente analisadas pela Justiça: há casos em que em menos de 48 horas foi feita a análise deste tipo de medicamento e, claro, deferiu a pacientes o fornecimento deste remédio”, assegura o advogado.

 

Para ingressar com a ação judicial são necessários dois documentos fundamentais: a negativa do plano de saúde e o relatório médico. Você pode exigir que o plano de saúde Sul América lhe forneça a negativa por escrito, com as razões pelas quais recusou o fornecimento do Lorbrena a você.

 

Do mesmo modo, solicite que seu médico de confiança elabore um bom relatório médico, detalhando os tratamentos já realizados, o seu histórico clínico e a necessidade de ter acesso ao Lorbrena com urgência.

 

Em posse destes documentos, procure um advogado especialista em Direito à Saúde, que conheça bem a legislação do setor e possa manejar a ação de modo que você não precise esperar muito tempo para iniciar seu tratamento totalmente custeado pelo plano de saúde.

Dúvidas? Fale com um especialista

O escritório Elton Fernandes é especializado em Direito da Saúde: casos de erro médico e odontológico, ações contra planos de saúde, incluindo casos de reajuste abusivo, ações contra o SUS e seguros.

 

Não importa se seu plano de saúde é Bradesco, Sul América, Unimed, Unimed Fesp, Unimed Seguros, Central Nacional, Cassi, Cabesp, Notredame, Intermédica, Allianz, Porto Seguro, Amil, Marítima Sompo, São Cristóvão, Prevent Senior, Hap Vida ou qualquer outro plano de saúde, pois todos têm obrigação de fornecer o medicamento.

 

Para falar com um dos nossos especialistas, você pode enviar um e-mail para [email protected]. Caso prefira, ligue para (11) 3141-0440 envie uma mensagem de Whatsapp para (11) 97751-4087 ou então mande sua mensagem abaixo.

 

Siga nossas redes sociais e saiba mais sobre Direito da Saúde:

Sul América deve cobrir o Lorbrena (lorlatinibe)? Descubra!   Facebook     Sul América deve cobrir o Lorbrena (lorlatinibe)? Descubra! Instagram    Sul América deve cobrir o Lorbrena (lorlatinibe)? Descubra! Youtube

Acompanhe o Dr. Elton Fernandes, especialista em ações contra planos de saúde, na imprensa:

 Elton Fernandes no programa Mulheres            Elton Fernandes no programa Santa Receita        https://www.eltonfernandes.com.br/uploads/tinymce/uploads/Radio-justica.png

Fale com a gente