Cirurgia robótica: Saiba como fazer o plano de saúde cobrir

Cirurgia robótica: Saiba como fazer o plano de saúde cobrir

Cirurgia robótica pelo plano de saúde - Você tem este direito

Apesar do parecer desfavorável da ANS e de estar fora do rol de procedimentos, pacientes tem conseguido na Justiça a cobertura ou reembolso das despesas da cirurgia robótica

Resumo da notícia  

  • Cirurgia robótica é método mais moderno de tratamento e deve ser coberta pelo plano de saúde
  • A cirurgia robótica permite maior segurança na execução de procedimentos cirúrgicos
  • Não pode haver recusa do plano de saúde em cobrir cirurgia robótica 
  • Decisões judiciais têm determinado o direito do consumidor em realizar a cirurgia robótica pelo plano de saúde;
  • Se você já pagou o tratamento, também é possível obter do plano de saúde o reembolso do valor gasto com a cirurgia robótica;

 

O advogado e professor de Direito Elton Fernandes preparou este artigo explicando as vantagens da cirurgia robótica e a possibilidade de obter a cobertura ou o reembolso da cirurgia pelo convênio médico.

 

Em geral a cirurgia robótica é procedimento mais moderno, minimamente invasivo e invariavelmente traz mais segurança ao paciente, pois diminui os riscos de causar danos a órgãos e tecidos e pode ser indicada em dezenas de casos e para qualquer tipo de doença, bastando que haja justificativa técnica.

 

Por exemplo, médicos utilizam cirurgia robótica para cirurgias oncológicas em geral, incluindo procedimento no rim, próstata, útero, mediastino, cérebro, entre tantos outros locais e órgãos, sendo muitas vezes a principal forma de tratamento. Também, em muitos processos percebe-se a indicação de procedimento robótico como a esplenectomia, a prostato vesiculectomia radical robótica, a prostatectomia radical robótica, nefrectomia, cistectomia etc. A cirurgia robótica é utilizada também em muitos casos que nada tem de relação com câncer, não sendo sua cobertura exclusividade para pacientes oncológicos.

 

As vantagens da cirurgia robótica são diversas em relação a convencional e mais tradicional. A cirurgia robótica realiza cortes menos invasivos (cortes menores), possibilitando a redução de sangramentos, dores ou risco de infecção no procedimento. Geralmente, a recuperação do paciente é mais rápida, aliada a um menor tempo de internação. Em muitos casos o procedimento preserva o órgão e os tecidos adjacentes de traumas e danos. Nosso escritório possui diversos modelos de relatórios médicos onde profissionais atestaram a superioridade de uma técnica sobre as demais.

 

A cirurgia robótica é considerada revolucionária na medicina ante aos moldes de procedimentos padrão de cirurgia adotado desde os princípios da medicina. A robótica trabalha com nos mínimos detalhes em procedimentos cirúrgico, é invariavelmente auxiliada por uma micro câmera que confere com maior capacidade auxiliada por uma visão em 3D (três dimensões), introduzida no interior do corpo do indivíduo, podendo auxiliar pequenas ferramentas para fazer incisões pelo próprio robô. O médico com essa ferramenta tem maior visão para realizar cortes específicos e determinantes para almejar o sucesso do procedimento. 

 

Em relação a diferença da cirurgia robótica sobre a cirurgia laparoscópica, as vantagens são diversas, tendo uma precisão maior em locais de difícil acesso, seja em qualquer parte específica do corpo. Por conta dessas vantagens, embora já seja uma realidade para muitos procedimentos, a cirurgia robótica pode ser considerada o futuro da medicina moderna para quase todos os casos. Será difícil imaginar no futuro que cirurgias sejam feitas pelo método aberto.

 

Tanto os planos de saúde quanto a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) têm dificuldades em aceitar a inclusão de novas tecnologias na cobertura obrigatória dos convênios médicos. Por parte da ANS, a demora na inclusão de determinado novo procedimento robótico no seu rol de procedimentos prejudica diretamente a saúde de pessoas que tanto precisam da cobertura por métodos mais modernos. Já por parte dos planos, a alegação é de, pelo fato do procedimento não estar no rol da ANS, a mesma não tem obrigação de cobrir o procedimento. A evolução da medicina com a cirurgia robótica não foi acompanhada pela ANS que recusa incluir dentro do rol de procedimentos a cobertura para procedimentos via robótica.

 

Conforme explicado no vídeo acima pelo professor de Direito e advogado especialista em plano de saúde Elton Fernandes, há centenas de procedimentos cirúrgicos por método robótico que já foram autorizados por nós na Justiça e cabe ao médico dizer se em seu caso há ou não indicação para a cirurgia robótica. O médico que irá recomendar o procedimento robótico pode inclusive não ser credenciado ao plano de saúde.

 

A Justiça tem determinado a cobertura de cirurgia robótica pelo plano de saúde mesmo fora do rol da ANS. Em centenas de ações judiciais vemos que a jurisprudência tem obrigado que os planos de saúde cubram o procedimento robótico e, nestes processos a Justiça tem entendido que o simples fato de não estar dentro do rol da ANS não impede a cobertura pela operadora.

 

Em uma das decisões judiciais obtidas pelo nosso escritório, por exemplo, o desembargador Francisco Eduardo Loureiro anotou: “É rigorosamente irrelevante que a ANS não tenha ainda catalogado o medicamente ou o tratamento ministrado ao paciente pelo médico que o assiste. Entre a aceitação da comunidade científica e os demorados trâmites administrativos de classificação, não pode o paciente permanecer a descoberto, colocando em risco bens existenciais”, disse o magistrado que julgou a causa.

 

E, ainda, em outro processo, a Justiça acolheu os argumentos jurídicos do escritório e anotou que “não pode o paciente, em razão de cláusula limitativa, ser impedido de receber tratamento com o método mais moderno disponível no momento em que instalada a doença coberta."

 

Há outras tantas decisões na Justiça em processos deste escritório determinando a cobertura de cirurgia robótica pelo plano de saúde. Como meros exemplos de jurisprudências sobre cirurgia robótica contra todos os planos de saúde, podemos anotar alguns dos centenas de casos sobre o tema:

 

Agravo de Instrumento. Obrigação de fazer c.c indenização por danos morais. Plano de saúde. Decisão agravada que deferiu a tutela antecipada, para determinar que a Ré autorize/custeie a realização do tratamento cirúrgico denominado "Pieloplastica Cirúrgica Robótica", com fornecimento dos materiais necessários. Inconformismo da Ré, sob o fundamento de que o procedimento pleiteado não tem previsão de cobertura contratual, além de não constar no rol de procedimentos da ANS. Preliminar de não conhecimento afastada. Não acolhimento, no mérito. Presença dos requisitos autorizadores da antecipação de tutela. Decisão mantida, nos limites da cognição do agravo. Recurso conhecido e não provido.

 

OBRIGAÇÃO DE FAZER. PLANO DE SAÚDE. CARDIOPATIA FETAL. PROCEDIMENTO CIRÚRGICO INTRAUTERINO DE URGÊNCIA COM USO DE ROBÓTICA. NECESSIDADE DE EQUIPE MÉDICA E ESTABELECIMENTO ALTAMENTE QUALIFICADOS. Insurgência contra sentença de improcedência. Negativa na cobertura de procedimento de urgência e excepcional, sob alegação de não constar no rol da ANS, o que motivou a apelante a buscar os serviços imediatamente junto a hospital reconhecidamente de excelência na área. Posterior indicação de clínica e profissionais especializados pelo plano, para realização do parto. Irrelevância. Gestação de alto risco, com possibilidade de cirurgia no neonato, a retirar a razoabilidade de se impor à beneficiária que o parto e subsequentes tratamentos ao recém-nascido fossem realizados por equipe e nosocômio diversos. Afastado o caráter eletivo. Situação de urgência e excepcionalidade configurada. Reembolso integral devido. Precedentes deste E. Tribunal e do C. STJ. Sentença reformada. RECURSO PROVIDO

 

APELAÇÃO CÍVEL. Ação Indenizatória. Plano de saúde. Sentença de parcial procedência. Inconformismo. Acolhimento. Negativa de cobertura integral de tratamento médico. Autora portadora de câncer mediastino, tendo de ser submetida à cirurgia de ressecção de tumor de mediastino e timectomia robótica. Recusa da Ré em custear os materiais utilizados no procedimento cirúrgico sob a alegação de que estes não possuem cobertura contratual. Pedido embasado em comprovada prescrição médica. Danos morais configurados. A demora no pagamento das despesas médico-hospitalares pela Operadora certamente repercutiu na esfera íntima da Autora, a qual já estava acometida de doença grave e teve que se valer de medida judicial. Situação que excedeu o mero descumprimento contratual.

 

APELAÇÃO – PLANO DE SAÚDE. Ação de indenização por danos materiais. Reembolso integral de cirurgias realizadas, inclusive pelo método de robótica. Paciente diagnosticado com câncer no rim. Sentença que julgou procedente a ação. Insurgência da ré. Alegação de que o procedimento não se encontra no rol da ANS e que o autor se utilizou de rede particular. Desacolhimento. Recusa indevida. Prescrição médica e quadro clínico grave. Hipótese de incidência das Súmulas 95 e 102 do Tribunal de Justiça de São Paulo. Ausência de profissionais qualificados na rede credenciada não podem prejudicar o paciente.

 

AGRAVO DE INSTRUMENTO. PLANOS DE SAÚDE. NEGATIVA DE COBERTURA PARA CIRURGIA EMERGENCIAL. NEFRECTOMIA ROBÓTICA PARCIAL. ALEGAÇÃO DE QUE O PROCEDIMENTO NÃO CONSTA DO ROL DA ANS. IRRELEVÂNCIA. ROL MERAMENTE EXEMPLIFICATIVO. SOLICITAÇÃO MÉDICA BEM FUNDAMENTADA. APLICAÇÃO DA SÚMULA 102 DO TJSP. INAPLICABILIDADE DE RECENTE JULGADO DO STJ. DECISÃO MANTIDA. 1. Presentes os requisitos do art. 300 do CPC na hipótese de liminar que determina a cobertura, pelo plano de saúde, de procedimento cirúrgico emergencial, quando a negativa da operadora se baseia na ausência de previsão do procedimento no rol da ANS, pois conforme prevê a Súmula 102 deste Tribunal, "havendo expressa indicação médica, é abusiva a negativa de cobertura de custeio de tratamento sob o argumento da sua natureza experimental ou por não estar previsto no rol de procedimentos da ANS". Precedentes. 2. Apesar de o Colendo Superior Tribunal de Justiça ter sinalizado a possibilidade de mudança no entendimento de que o rol de coberturas da ANS não é exemplificativo (REsp. 1.544.749, rel. Min. Luís Felipe Salomão), pese o respeito devido ao referido julgado, não se trata de decisão proferida no sistema de recursos repetitivos, a obrigar sua observância pelas instâncias ordinárias. 3. Recurso improvido

 

PLANO DE SAÚDE – Nódulo no rim direito – Nefrectomia parcial laparoscópica assistida por robô – Negativa de cobertura sob alegação de ausência de previsão no rol da ANS - Não excluindo o plano de saúde a doença, não podem ser excluídos os procedimentos, exames, materiais e medicamentos necessários ao tratamento, e nem privado o paciente de beneficiar-se de método mais moderno, seguro e menos invasivo – Julgados do STJ e aplicação da Súmula n. 102 do TJSP – Reembolso integral devido - Recurso desprovido.

 

Apelação Cível. Reexame de V. Acórdão em face da determinação do Egrégio Superior Tribunal de Justiça em V. Acórdão proferido em Recurso Especial, determinando que seja afastada a aplicação do Código de Defesa do Consumidor por ser a ré entidade de autogestão – Plano de saúde – Tutela Antecipada em caráter antecedente – Preliminar de extinção do processo por ausência de aditamento da inicial afastada – Controvérsia acerca da obrigação da ré em custear cirurgia de nefrectomia parcial esquerda pela técnica robótica – Alegação de exclusão contratual, por ausência de previsão no rol de cobertura obrigatória da ANS – Previsão contratual de cobertura ao ato cirúrgico sem técnica robótica – Procedimento cirúrgico pela técnica robótica indicado pelo médico por apresentar menos complicações e ser mais seguro, diante das particularidades da patologia que acomete a autora – Escolha que cabe tão somente ao médico responsável e ao paciente – Negativa a tratamento mais eficaz que se mostra abusiva, pois restringe direito inerente à natureza do contrato, qual seja, preservação à vida e à saúde do segurado – Aplicação da Súmula nº 102 deste Egrégio Tribunal de Justiça – Sentença mantida. Nega-se provimento ao recurso.

 

Agravo de Instrumento. Decisão que concedeu a tutela provisória de urgência, para compelir a ré, ora Agravante, sob pena de multa diária de R$ 50.000,00, ao custeio da cirurgia denominada Prostatovesiculectomia Radical Robótica. Autor diagnosticado com câncer de próstata. Astreintes. Valor ajustado aos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade; com objetivo de atender o comando judicial. Recurso improvido.

 

PLANO DE SAÚDE - AÇÃO DE OBRIGAÇÃO DE FAZER CUMULADA COM REPARAÇÃO DE DANOS MORAIS – Paciente portador de câncer de próstata – Prescrição médica de procedimento cirúrgico de prostatectomia radical mais linfadenectomia robótica – Sentença que condenou a ré a dar cobertura ao procedimento prescrito pelo médico e a pagar indenização por dano moral no valor de R$ 5.000,00 – Ré que é empresa de autogestão – Relação jurídica regida pela Código Civil – Negativa de cobertura que afronta o princípio geral da boa-fé dos contratos, estabelecida no art. 422 do Código Civil – Afronta, ainda, o art. 423 do Código Civil – Contrato que prevê cobertura para a doença do autor – Cláusula ambígua em contrato de adesão, que restringe a cobertura – Escolha do tratamento que compete ao médico que atende à paciente, e não ao plano de saúde – Dano moral não configurado - Mero descumprimento contratual - Ausência de comprovação de que tenha havido agravamento nas condições de saúde do autor - Recurso parcialmente provido

 

PLANO DE SAÚDE. Ação de reembolso cumulada com indenização por danos morais. Cirurgia robótica para tratamento de carcinoma de próstata. Sentença de improcedência. Inconformismo do autor. Acolhimento parcial. Negativa de cobertura, sob a alegação de exclusão contratual. Afastamento da incidência da Lei dos Planos de Saúde, considerando que se trata de contrato antigo e não adaptado. Entendimento do STF no RE n. 948634 pelo regime da repercussão geral (Tema 123). Aplicação da legislação consumerista. Negativa de custeio pela operadora de saúde. Alegação de que o procedimento configura tratamento experimental para o tipo de doença que acomete o autor (cirurgia robótica). Proteção da vida e da saúde do segurado. Negativa abusiva. Existência de indicação expressa e fundamentada do médico assistente. Aplicação da Súmula nº 102 do TJSP. Precedentes jurisprudenciais. Não houve a comprovação de que a rede credenciada possuía médicos e hospitais especializados e aptos à cirurgia de alta complexidade indicada ao autor. Prova estritamente documental. Artigo 373, inciso II, do Código de Processo Civil. Reembolso integral.

 

A recusa de cobertura da cirurgia robótica coloca o paciente em exagerada desvantagem e faz com que no momento mais vulnerável da vida corra risco exacerbado de danos a órgãos e tecidos, o que desde logo encontra vedação no PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA.

 

Quais cuidados devo ter ao pedir a cirurgia robótica pelo plano de saúde?

Você precisa ter um relatório médico explicando as razões pela qual a cirurgia robótica é melhor ao seu caso do que a cirurgia convencional. Este relatório pode ser de qualquer médico, mas será melhor se for do profissional que realizou sua cirurgia.

Também, mesmo que você decida pagar o robô, é importante que você obtenha a recusa do seu plano de saúde antes do procedimento. Claro, se você estiver realizando o tratamento dentro da rede credenciada e estiver pagando o robô, a recusa do plano de saúde se presume, mas se você for realizar a cirurgia robótica fora da rede credenciada, em hospital não vinculado ao seu plano de saúde, busque antes ter a recusa da cirurgia robótica.

Quase de qualquer forma será possível brigar pelo reembolso se você pagar a cirurgia robótica, mas ter feito a solicitação antecipada, mesmo que o plano de saúde recuse, pode fazer a diferença para que você busque o ressarcimento integral da despesa e não apenas uma parte.

 

É possível conseguir liminar para a cirurgia robótica pelo plano de saúde?

Sim, é plenamente possível obter liminar para que ao invés de você pagar o procedimento, o próprio plano de saúde pague integralmente os gastos com a cirurgia robótica. A liminar obriga o plano de saúde a custear a cirurgia robótica e pode exigir inclusive que eles paguem honorários médicos. Se a operadora não tiver um médico credenciado que possa realizar a cirurgia ou se na rede do plano de saúde não houver o robô, por exemplo, o plano pode ser condenado a pagar a cirurgia robótica fora da rede credenciada se preciso.

A partir da urgência do seu caso, atestada pelo médico, pode-se entrar com uma ação contra o plano de saúde. A “liminar” é um tipo de tutela de urgência onde se busca conseguir rapidamente o direito a um tratamento, por exemplo. Geralmente a análise da liminar costuma levar no máximo 48 horas ou 72 horas e, se concedida pelo juiz a operadora deve cumprir a decisão, mesmo que queira recorrer.

É importante lembrar que liminar é uma decisão provisória e que a decisão precisará ser posteriormente transformada em uma decisão definitiva. Aqui neste link nós explicamos o que é uma liminar, mas você pode assistir ao vídeo abaixo e saber quais são os requisitos para conseguir uma liminar para que o plano de saúde pague a cirurgia robótica.

 

 

Os planos de saúde têm a obrigação de cobrir a cirurgia robótica? 

Sim, basta que haja justificativa médica para que se possa buscar esse direito. Segundo o advogado especialista em ação contra plano de saúde Elton Fernandes, que moveu dezenas de ações para obrigar planos de saúde a custear a cirurgia robótica, todos os convênios, sejam eles individuais, empresariais ou coletivos por adesão, todos tem obrigação de cobrir a cirurgia robótica e como mostramos há centenas de decisões judiciais para os mais diveros casos e para as mais variadas doenças.

A partir da contratação do plano de saúde, você tem direito de realizar o tratamento por métodos mais modernos cientificamente reconhecidos e que se faça necessário para a saúde do indivíduo. O que determina a indicação de uso de um determinado procedimento como a cirurgia robótica é o diagnóstico do médico e a justificativa técnica do profissional e, como dito, o méidco pode até não ser credenciado.

O robô veio para acrescentar ao paciente maiores chances de cura ou controle da doença, minimizando riscos. Com o início da evolução tecnológica a robótica está evoluindo a cada dia, trazendo diversos alentos para a medicina e beneficiando pacientes que se submetiam a cirurgias muito arriscadas. Os planos de saúde estão se negando, ilgalmente, a cobrir diversos tipos de meios de tratamentos mais modernos, como a cirurgia por robô, alegando que o procedimento, medicamento ou consulta, não está previsto no rol estabelecido pela ANS, mas isto é ilegal.

 

É possível obter reembolso cirurgia robótica junto ao plano de saúde?

Sim, o reembolso da cirurgia robótica é possível e você aumentará suas chances de conseguir inclusive o reembolso integral da cirurgia se tiver obtido uma recusa do plano de saúde. A recusa pode inclusive ser presumida se você fez o procedimento dentro da rede credenciada, pois, claro, dentro da rede credenciada você não deveria ter despesas com a cirurgia.

A Justiça tem determinado o reembolso da cirurgia robótica em inúmeros casos de forma que há jurisprudência sobre o tema e para os mais diversos tipos de procedimentos.

 

O escritório atende em quais lugares?

Atualmente o processo é eletrônico em todo Brasil, então tudo pode ser feito pela internet. Nossa sede fica na Avenida Paulista em São Paulo e você poderá vir pessoalmente, mas é cada vez mais comum o atendimento remoto até para pessoas que moram nas proximidades.

Então, como todo o processo tramita de forma on-line e até conversar com o juiz pode ser feito assim, nossa equipe está habituada a trabalhar com casos em todo o Brasil, embora tenhamos escritórios parceiros em muitos locais que nos referenciam casos.

 

Compensa processar para obter a cirurgia robótica pelo convênio?

Sim, sem dúvida alguma pode compensar. Se você já tiver pagado o valor poderá ser buscado o reembolso integral da cirurgia robótica e caso você ainda precise fazer é possível buscar na Justiça a cobertura direta do plano de saúde. Como mencionamos, há muitas decisões condenando ao reembolso dos gastos e, se o paciente ainda não pagou, pode-se buscar a cobertura diretamente.

 

O escritório ajuda a construir o modelo de relatório médico para cirurgia robótica pelo plano de saúde?

Sim, podemos ajudar e temos inúmeros modelos que podem ser disponibilizados na reunião, por exemplo. A definição do que deve constar é sempre do médico responsável, mas o escritório pode ajudar enviando modelo de relatório médico sobre cirurgia robótica que permita ao profissional entender o que é importante constar no documento, mas a decisão final é sempre do médico e nós respeitamos isso.

 

Por que a cirurgia robótica não está no rol da ANS? 

O rol de procedimenos da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), é uma lista de medicamentos, consultas e procedimentos médicos, pré-estabelecido com uma base na qual os planos de saúde são obrigados a cobrir, mas esse rol não define que apenas estes procedimentos lá descritos é que devem ser custeados. Esta é uma interpretação equivocada da lei.

A presença ou não de tal procedimento não significa que o plano não é obrigado a fornecer ao beneficiário. O que determina o melhor método de consulta ou tratar uma doença é o médico. 

Portanto, se o médico considerar que o procedimento robótico é necessário e trará mais segurança e benefícios ao paciente, o serviço tem que ser fornecido sem interferências administrativas, pois o paciente não pode ser privado de um procedimento tão necessário e urgente para a sua saúde. Segundo o advogado Elton Fernandes, nenhum paciente pode ser privado de ter à sua disposição os métodos terapêuticos mais modernos para tratamento e isto está na lei.

 

Por que os planos de saúde se negam a cobrir a cirurgia robótica?

Os planos de saúde geralmente alegam o mesmo motivo de sempre para não cobrir a cirurgia robótica: por não estar no rol, eles acreditam que não são obrigados a cobrir. Porém, a Justiça tem condenado diversos planos de saúde a custear este tipo de tratamento cirúrgico pelo método robótico.

Para a Justiça, os novos métodos de tratamento e medicamentos que são desenvolvidos com o auxílio da tecnologia não podem deixar de ser cobertos pelo plano de saúde, pois o fato da ANS não conseguir acompanhar a alta demanda de processos e inclusão de novos métodos medicinais, não afasta o direito do paciente a este tipo de tratamento.

Por se tratar de um novo método revolucionário, as pessoas acreditam que os planos de saúde não são obrigados a fornecer a cirurgia robótica, mas caso esse procedimento seja necessário, com a constatação do médico, apresentando como mais adequado para o quadro de tratamento do paciente e visando obter um melhor resultado no procedimento cirúrgico minimizando os riscos, ele deve ser custeado pelo plano de saúde.

 

Quanto tempo tenho para pedir reembolso da cirurgia robótica pelo plano de saúde?

O prazo correto é de 10 anos, embora os planos de saúde não concordem com este posicionamento. É ideal, contudo, que não se demore muito tempo, primeiro porque desde que o plano de saúde for citado começa a correr juros de 1% ao mês, o que pode fazer toda diferença. Alguns juízes entendem que esse prazo de 03 anos, então, da dúvida, não demore.

 

É melhor buscar uma liminar ou entrar com ação para o reembolso da cirurgia robótica pelo plano de saúde?

São dois caminhos diferentes. A liminar pode permitir que você realize o procedimento sem precisar pagar pela cirurgia. A ação para buscar o ressarcimento pode demorar alguns meses para que você recupere o valor. Na prática, contudo, há vantagem e desvantagem em cada um dos caminhos e apenas uma conversa com um advogado especialista em plano de saúde pode permitir compreender os detalhes do seu caso e aconselhar o que é melhor na sua situação. Sugiro sempre agendar uma conversa com um profissional da área.

 

Como saber se meu plano de saúde deve cobrir cirurgia robótica?

As pessoas se apegam muito ao “nome” do plano de saúde, mas o que importa mesmo é se existe cobertura na segmentação hospitalar. Ou seja, na prática, se há cobertura de internação (segmentação hospitalar), qualquer que seja seu plano de saúde pode haver o dever de cobrir o procedimento, ainda que seja empresarial, autogestão, plano antigo, coletivo por adesão ou familiar, pouco importa.

Se seu plano de saúde é da Unimed, se é via Qualicorp, ou se você tem contrato comBradesco, Sul América, Unimed, Unimed Fesp, Unimed Seguros, Central Nacional, Cassi, Cabesp, Notredame, Intermédica, Allianz, Porto Seguro, Amil, Marítima Sompo, São Cristóvão, Prevent Senior,  APS, Petrobrás, Vivest, Assim, Hap Vida ou qualquer outra, isto não é importante e são só exemplos de planos constantemente processados por nós, pois o que importa é ter cobertura na segmentação hospitalar já que todos os planos de saúde são obrigados a fornecer o tratamento.

 

Como conversar com o advogado especialista em plano de saúde para avaliar meu caso?

Nós atendemos em todo Brasil, especialmente porque as reuniões já podem ser feitas on-line e todo o processo é eletrônico, de forma que não existe mais necessidade de o advogado ir ao Fórum e até audiências, que nestes casos são raras, podem ser feitas de forma on-line.

A sede do escritório está na Avenida Paulista em São Paulo, mas atendemos on-line clientes de Norte a Sul do Brasil, pois temos processos até no Amazonas, em Rondônia, Nordeste, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, de forma que a distância não é mais um problema já que o processo é inteiro on-line e até despachar com o juiz hoje pode ser feito de forma on-line.

Conheça um pouco mais sobre o professor e advogado Elton Fernandes e sua equipe clicando aqui.

 

Desejo agendar uma reunião  para o advogado avaliar meu caso de cirurgia robótica pelo plano de saúde, como faço?

Você pode chamar no Whatsapp 11 - 97751-4087 ou então ligar no telefone 11 - 3141-0440 e também enviar sua mensagem por este canal abaixo ou por e-mail para [email protected]

 

Siga nossas redes sociais e saiba mais sobre Direito da Saúde:

Cirurgia robótica: Saiba como fazer o plano de saúde cobrir   Facebook     Cirurgia robótica: Saiba como fazer o plano de saúde cobrir Instagram    Cirurgia robótica: Saiba como fazer o plano de saúde cobrir Youtube

 

Acompanhe o Dr. Elton Fernandes, especialista em ações contra planos de saúde, na imprensa:

 Elton Fernandes no programa Mulheres            Elton Fernandes no programa Santa Receita        https://www.eltonfernandes.com.br/uploads/tinymce/uploads/Radio-justica.png

Fale com a gente