CytoGam - Plano de saúde deve fornecer medicamento a paciente

CytoGam - Plano de saúde deve fornecer medicamento a paciente

Paciente gestante consegue na Justiça direito de receber medicamento CytoGam do plano de saúde

 

Em decisão proferida no último dia 12/05, a Justiça determinou que um plano de saúde custeasse o medicamento CytoGam a uma paciente gestante que foi infectada pelo Citomegalovírus, havendo, assim, risco de infecção do bebê. Vejamos:

 

“Apelação. Obrigação de fazer com pedido de ressarcimento. Pretensão de compelir a operadora de saúde a fornecer e custear o medicamento CytoGam prescrito à autora tendo em vista que está gestante e foi infectada pelo Citomegalovírus, havendo, assim, risco de infecção do bebê. Sentença de procedência. Inconformismo da operadora. Negativa baseada na ausência de cobertura contratual, ser medicamento importado e de uso ambulatorial ou domiciliar. Irrelevante. Incidência da súmula 102 deste E. Tribunal de Justiça. Abusividade reconhecida. Dever de fornecer e custear os medicamentos prescritos necessários ao tratamento da autora. Sentença mantida. Recurso desprovido.

 

(...) recorre a requerida, insistindo que o medicamento pretendido pela autora (CytoGam) é importado e que o seu uso, nos moldes prescritos, é manipulado fora dos regimes contratuais. Alega que o seguro contratado não prevê a cobertura para medicamentos não nacionalizados e, ainda, que não sejam utilizados durante internação hospitalar ou de atendimento ambulatorial. Insiste na licitude da cláusula limitativa de cobertura; que a sua conduta não feriu o princípio da boa-fé ou dos objetivos do contrato; que a sua conduta sempre se pautou pela transparência, em consonância com o contrato. Argumenta que o contrato é claro ao excluir a cobertura de medicamentos que ainda não sejam reconhecidos pelas entidades responsáveis pela normatização, bem como fora do período de internação hospitalar ou de assistência em pronto-socorro.

 

A autora juntou documento, comprovando que houve indicação médica expressa para o medicamento por ela pleiteado.

Continuar Lendo

 

É entendimento do Superior Tribunal de Justiça que não cabe ao plano de saúde estabelecer o tipo de tratamento a que deverá se submeter o segurado, ficando tal indicação sob responsabilidade de profissional habilitado.

 

Deste modo, havendo relatório médico estabelecendo o tratamento adequado, incabível a negativa da seguradora em realizar o tratamento na forma como indicado por profissional habilitado. Ademais, o fato de não constar do rol da ANS, ou mesmo do contrato ou das Resoluções Normativas da ANS, não inibe o direito da apelada de ter a referida cobertura.

 

Diante disso, a resistência da ré à cobertura do tratamento porque importado, e, portanto, não reconhecido pela ANS ou porque não previsto em contrato é inadmissível, afetando em excesso a reciprocidade contratual e colocando o consumidor em manifesta desvantagem, impossibilitando-o de dar continuidade a tratamento de que necessita, incompatível com a boa-fé ou equidade.

 

Portanto, evidenciada a concreta necessidade do medicamente prescrito, não pode a operadora de saúde interferir na indicação médica, haja vista que somente ao profissional médico compete a escolha do método mais adequado ao paciente. (...)”

 

A decisão acima, em conformidade com o que é defendido por este escritório, é clara ao preceituar que cabe apenas ao médico a escolha do método mais eficiente ao caso do paciente.

 

Sendo assim, a paciente que não conseguir a liberação do medicamento pelo plano de saúde não deve aceitar negativas infundadas do plano de saúde, mas sim procurar um advogado especialista em Direito à Saúde para que ele possa, de imediato, ingressar com uma ação judicial com pedido de tutela antecipada de urgência (liminar), buscando os seus direitos na Justiça.

 

Ficou com dúvidas? Mande sua mensagem ou ligue para o telefone 11 - 3251-4099 e fale conosco.

Fale com a gente