Cistectomia radical aberta com linfadenectomia - Plano de saúde deve custear

Cistectomia radical aberta com linfadenectomia - Plano de saúde deve custear

 

Cistectomia radical aberta com linfadenectomia - Plano de saúde deve custear

 

A cistectomia parcial ou radical é realizada para tumores de bexiga invasivos e, segundo o advogado Elton Fernandes, todos os planos de saúde tem obrigação de custear o procedimento, inclusive por métodos mais modernos.

 

Segundo a literatura médica a Cistectomia pode ser:

 

  • Cistectomia Parcial - Se o tumor invadiu a camada muscular, mas não é muito grande e está bem localizado, pode ser removido sem retirar toda a bexiga. Neste procedimento os gânglios linfáticos regionais também são retirados e enviados para análise. A principal vantagem desta cirurgia é a conservação da bexiga e o fato de não ser necessária uma cirurgia de reconstrução. Mas a bexiga restante pode não ser capaz de conter muita urina, o que implica numa micção mais frequente.

 

  • Cistectomia Radical - Se o tumor é grande ou está localizado em várias áreas da bexiga é realizada a cistectomia radical, que consiste na remoção de toda a bexiga e dos gânglios linfáticos. Nos homens, a próstata também é removida. Nas mulheres, os ovários, trompas de Falópio, útero e uma pequena parte da vagina são frequentemente removidos junto com a bexiga.


As cistectomias são realizadas por meio de uma incisão no abdome, com o paciente sob anestesia geral. 

 

No caso em questão, o autor é portador de neoplastia maligna de bexiga T3 (câncer de bexiga) e seu médico prescreveu tratamento de cirurgia com cistectomia radical, entretanto o seu plano de saúde recusou o custeamento da cirurgia, alegando que o referido procedimento cirúrgico não detém cobertura contratual.

 

Confira decisão judicial:

Continuar Lendo

 

Apelação. Ação de obrigação de fazer. Plano de saúde. Autor portador de neoplastia maligna de bexiga T3, tendo lhe sido prescrito por médico especialista tratamento de cirurgia com cistectomia radical, linfadenetomia e derivação urinária com intenção curativa, o que teria sido negado pelo plano de saúde sob o fundamento de que referido procedimento cirúrgico não detém cobertura contratual. Súmula 100 deste Tribunal. O contrato de plano de saúde submete-se aos ditames do Código de Defesa do Consumidor e da Lei n. 9.656/98 ainda que a avença tenha sido celebrada antes da vigência desses diplomas legais. Assim, as exclusões e limitações impostas devem ser avaliadas com ressalvas, já que se trata de típica relação de consumo, a ser adequada ao Código de Defesa do Consumidor e se mostram abusivas, ante a previsão do artigo 51, IV e § 1º, II, do CDC. Assegurar a cobertura da moléstia, porém excluir do contrato o tratamento mais adequado e indicado por médico especialista equivale, em última análise, a nada cobrir, afetando em excesso o sinalagma contratual e colocando o consumidor em manifesta desvantagem. Negativa da cobertura no tratamento abusiva. Apelo desprovido.

 

Conforme explicação do advogado especialista em Direito à Saúde e também professor de Direito Elton Fernandes, havendo prescrição médica determinando a realização de um procedimento específico, é irrelevante o fato de constar ou não no contrato firmado entre o paciente e o plano de saúde, já que se o plano de saúde cobre a enfermidade, deve custear os procedimentos para tratamento da doença.

 

Este tipo de ação judicial é elaborada com pedido de liminar e costuma ter um desfecho favorável de forma rápida ao consumidor, quando toda a documentação apresentada comprova a situação de saúde.

 

Portanto, havendo prescrição médica e impedimento por parte do plano de saúde, procure um advogado especialista em Direito à Saúde, para que ele busque os seus Direitos na Justiça.

 

Entre em contato conosco, possuímos advogados extremamente capacitados e especialistas em ações contra planos de saúde. Estamos disponíveis pelo telefone (11) 3251-4099, ou pelo Whatsapp (11) 97751-4087.

Fale com a gente