Plano de saúde não pode impor carência a paciente em estado grave

Plano de saúde não pode impor carência a paciente em estado grave

 Plano de saúde não pode impor carência a paciente em estado grave

 

Os prazos de carência para procedimentos de urgência ou emergência são de 24 horas, contando do dia em que iniciou o contrato e nenhum plano de saúde pode deixar de garantir cobertura integral após este prazo, como lembra o advogado especialista em plano de saúde Elton Fernandes.

 

Ou seja, se o paciente estiver no plano de saúde há mais de um dia e sofrer alguma situação de urgência ou emergência médica, a operadora de saúde não pode negar o atendimento afirmando que o paciente está em prazo de carência.

 

Também é ilegal o que muitas operadoras fazem de limitar o atendimento do paciente na situação de urgência ou emergência às primeiras 12 (doze) horas de atendimento, enviando-o, em seguida, para que o SUS continue o tratamento.

 

Confira mais uma decisão judicial:

 

Continuar Lendo

 

Agravo de instrumento. Plano de saúde. Tutela antecipada para cobertura de internação do autor. Requisitos do art. 300, CPC atendidos. 1.Relatório médico indica que o autor está em estado grave, necessita de tratamento em unidade de terapia intensiva. Tratamento não sujeito a prazo de carência. 2.Omissão quanto à doença pré-existente. Má-fé na contratação não pode ser presumida. Inteligência das súmulas 103 e 105 deste Tribunal de Justiça. Agravo não provido

 

A Agência Nacional de Saúde (ANS) cometeu ilegalidade ao permitir que o atendimento se limite às primeiras 12 (doze) horas e a Justiça tem reafirmado que a norma da ANS é ilegal e que os planos de saúde não podem limitar o atendimento.

 

Ao contratar um plano ou seguro saúde é preciso ficar atento aos prazos de carência impostos, pois isso implica em limitação de cobertura médica. No entanto, para casos considerados urgentes ou emergentes a Lei 9656/98 que regula a atuação dessas empresas determina a redução desse prazo para 24 horas e nenhuma norma da ANS pode modificar isso.

 

Ou seja, caso o beneficiário necessite de atendimento de emergência (que implique em risco imediato de vida ou de lesões irreparáveis) ou urgência (resultados de acidentes pessoais ou complicações na gestação) pode solicitar autorização caso já tenha cumprido mais de 24 horas de cobertura do plano de saúde.

 

A redução de carência nesses casos deve-se à impossibilidade de que o beneficiário em estado crítico aguarde meses para que se submeta ao atendimento e tratamento necessários.

 

Segundo o advogado especialista em ação contra plano de saúde, Elton Fernandes, nesses casos, é importante ter relatório médico que demonstre a necessidade de atendimento imediato, o que irá embasar a ação judicial com pedido de antecipação da tutela de urgência (liminar) no Judiciário.

 

Veja também: Carência plano de saude gravidez

 

Com sede na Avenida Paulista, 575 - Cj. 203, na cidade de São Paulo, o escritório Elton Fernandes Sociedade de Advogados possui uma vasta rede de advogados em quase todo Brasil que pode ajudar a garantir seu direito.

 

Ficou com dúvidas? Ligue e agende sua consulta com nossos advogados no telefone 11 – 3141-0440 ou pelo whatsapp 11 – 97751-4087.

São mais de 4.000 ações judiciais
elaboradas ao longo dos anos.
Fale com a gente