Perfuração de bexiga durante o parto é erro médico e gera danos morais

Perfuração de bexiga durante o parto é erro médico e gera danos morais

Perfuração de bexiga durante o parto é erro médico e gera danos morais

 Perfuração de bexiga durante o parto é erro médico e gera danos morais

 

Em mais um caso deste escritório, em processo elaborado pelo advogado Elton Fernandes e pela advogada Juliana Emiko, uma paciente foi a Justiça devido a um erro médico cometido na hora do parto em razão da perfuração de bexiga.

 

A paciente sofreu com infecção e teve sérios problemas, felizmente controlado após semanas de internação, o que não afasta o dano sofrido e seu direito à indenização.

 

A advogada e especialista em direito da saúde, Juliana Emiko Ioshisaqui afirma que cada vez mais os pacientes tem conseguido obter danos morais pelos prejuízos causados devido a má realização de um procedimento.

 

Acompanhe decisão que conferiu danos morais e estéticos a paciente:

 

Continuar Lendo

 

Ação de indenização por danos morais e estéticos. Erro médico. Ação decorrente da perfuração de bexiga da autora durante o parto, ensejando uma infecção generalizada e necessidade de nova cirurgia. Sentença de procedência. Os prontuários médicos apresentados pela autora não deixam dúvidas quanto à perfuração da bexiga durante o parto. Intercorrências que devem ser evitadas mediante cuidado e boa técnica, o que não restou comprovado pela ré. Danos morais e danos estéticos bem arbitrados e sujeito a juros e correção monetária nos termos da lei.

 

Segundo o professor e advogado Elton Fernandes, a Justiça tem protegido consumidores que passam por situações consideradas como erro médico: o paciente deve buscar seus direitos na Justiça, pois erros como esse podem ser provados e indenizados. Um erro médico além de provocar problemas físicos contribui para os abalos psicológicos e deve ser indenizado.

 

Ao escolher um determinado estabelecimento para realizar determinado procedimento o paciente confia sua vida ao estabelecimento e, diante de erros como este, o paciente pode procurar a Justiça para ser indenizada.

 

A advogada Juliana Emiko Ioshisaqui, sócia do Escritório Elton Fernandes Sociedade de Advogados, advocacia especializada em Direito da Saúde explica que o paciente que se sentir lesado em procedimentos como esse deve procurar imediatamente um advogado para receber orientações e conseguir ingressar com ação judicial o quanto antes.

 

Este escritório de advocacia lembra que havendo uma situação como essa, é preciso que a paciente solicite todo o prontuário médico: “Ele deve estar munido de todos os documentos e procurar um advogado especialista na área. Nosso escritório, por exemplo, conta com médicos que fazem a análise dos documentos para que a ação judicial tenha também apontamentos técnicos e maiores chances de êxito”.

 

O Escritório de Advocacia Elton Fernandes é especializado em ações de erro médico junto aos planos de saúde.

 

Nossos advogados são especialistas na área da saúde e para maiores informações, entre em contato com nosso escritório através do telefone (11) 3141-0440, ou pelo Whatsapp (11) 97751-4087.

De início, aponte-se que restou incontroverso que a autora deu entradano hospital em 17/04/2013, já com 41 semanas de gestação, quando foi submetida à cirurgia cesárea (fls. 28)

Fale com a gente