Pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pela Sul América

Pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pela Sul América

 

Sendo considerado pela Sul América, em alguns casos, um remédio de uso off label, ou seja, cuja indicação não está presente na bula para certos tipos de tratamento, o custeio do pembrolizumabe tem sido negado pela operadora. Mas, saiba que pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pelo plano de saúde Sul América.

 

De acordo com o advogado especialista em planos de saúde Elton Fernandes, o requisito fundamental para que um plano de saúde seja obrigatoriamente coberto por um plano de saúde é que o remédio seja registrado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

 

Pembrolizumabe, conhecido pelo o nome comercial de Keytruda, é uindicado para o tratamento adulto de alguns tipos de câncer, incluindo câncer de pele, pulmão, bexiga, entre outros. Em 2019, foi aprovada, pela Anvisa, a combinação com pembrolizumabe no tratamento também de câncer de cabeça e pescoço.

 

Caso você necessite do custeio do medicamento pembrolizumabe (Keytruda) pelo seu plano de saúde, seja ela da operadora Sul América ou não, é importante saber:

 

  • Por que os planos de saúde negam o fornecimento da medicação;
  • Qual é a obrigação dos planos de saúde sobre o custeio do tratamento;
  • O que fazer para que o plano de saúde seja obrigado a pagar pelo tratamento.

 

Ficou interessado no assunto? Então, clique no botão abaixo para continuar acompanhando a leitura deste artigo produzido pela equipe do escritório Elton Fernandes – Advocacia Especializada em Saúde e saiba mais sobre os seus direitos como consumidor e paciente!

Continuar Lendo

 

Por que o plano de saúde Sul América negou meu pedido de fornecimento do medicamento pembrolizumabe?

Mesmo que esse medicamento seja indicado para certos tipos de cânceres, como consta na bula registrada na Anvisa, seu médico pode solicitar um tratamento off label, ou seja, um tratamento que não esteja descrito na bula e, ainda assim, o pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pelo plano de saúde Sul América.

 

“Não importa se o médico de sua confiança recomendou o medicamento para um tratamento que não está listado na bula do remédio: sempre que houver indicação médica, é obrigação do plano de saúde fornecer o medicamento, porque só o médico de sua confiança pode decidir qual é a terapia adequada ao tratamento do seu quadro clínico”, ressalta o especialista Elton Fernandes.

 

Esse tipo de tratamento, muitas vezes, é negado o plano de saúde Sul América em uma primeira solicitação do usuário. Porém, o advogado especialista em plano de saúde Elton Fernandes afirma que a Justiça pode condenar o plano de saúde Sul América a fornecer o medicamento.

 

Isso ocorre porque a operadora é obrigada a custear remédios de alto custo, como esse, sempre que o medicamento tiver registro sanitário na Anvisa e for prescrito pelo médico de confiança do paciente. Na sentença a seguir, a Justiça determina o fornecimento da medicação ainda que seja off label. Veja:

 

AGRAVO INTERNO – DECISÃO UNIPESSOAL DO RELATOR – AGRAVO DE INSTRUMENTO, EM FACE DE DECISÃO LIMINAR INICIAL, QUE CONCEDEU A TUTELA DE URGÊNCIA – FORNECIMENTO DE MEDICAMENTO PARA TRATAMENTO ONCOLÓGICO – PRESCRIÇÃO MÉDICA – ENTENDIMENTO SUMULADO NESTE TRIBUNAL – REITERAÇÃO DOS ARGUMENTOS. Recurso em face de decisão que negou provimento ao recurso de agravo de instrumento interposto pela operadora de plano de saúde, que pretendia revogar a tutela de urgência concedida – Insurgência recursal que se desacolhe – Agravante que não apresenta nenhum outro argumento capaz de rever a decisão do relator sorteado – Beneficiário que está acometido por doença oncológica, para a qual foi prescrito, por seu médico, medicamento que se nega a fornecer – Incidência do entendimento contido nos verbetes sumulares nºs 95 e 102 deste Tribunal de Justiça, que também é adotado pelo Superior Tribunal de Justiça, determinando o fornecimento de medicamento off label. Recurso desprovido.

 

No caso transcrito acima, é possível perceber que a Justiça determina que o remédio, tendo sido prescrito pelo médico do paciente, deve ser fornecido pelo plano e destaca que não foi apresentado nenhum argumento capaz de rever a decisão.

 

Depende do tipo de plano que tenho para a Justiça condenar o plano de Saúde Sul América a fornecer o pembrolizumabe?

Para a Justiça, não importa qual tipo de plano de saúde você contratou com a operadora Sul América (se é básico ou completo, por exemplo), também não importa o Rol de Procedimentos da Agência Nacional de Saúde ou de suas diretrizes de utilização.

 

O pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pelo plano de saúde Sul América, pois todo e qualquer contrato é obrigado a fornecer esse medicamento ao paciente sempre que houver indicação médica. Podemos confirmar isso também na sentença judicial citada acima, na qual o juiz considera o fato de que a medicação foi prescrita pelo médico do usuário para julgar a favor do paciente.

 

O que é necessário para acionar a Justiça e pedir o fornecimento do pembrolizumabe pela operadora Sul América?

Seja para obter o medicamento pela Sul América ou por outra operadora de saúde, é importante ter em mãos um relatório detalhado, feito pelo seu médico de confiança, prescrevendo o medicamento e informando o caráter de urgência do uso do pembrolizumabe (Keytruda).

 

Além disso, você deve solicitar que o plano de saúde forneça uma justificativa formal por escrito, explicando o motivo de negar a cobertura. Recebendo a negativa do plano de saúde Sul América em custear esse tratamento, procure um advogado especialista em ações contra plano de saúde.

 

Esse profissional terá o domínio jurídico que você necessita para auxiliá-lo durante a ação judicial e exigir que a Justiça condene o plano de saúde Sul América a fornecer o medicamento adequado para o seu tratamento, pelo tempo necessário.

 

Como funciona a ação? Em quanto tempo o plano de saúde será obrigado a fornecer o medicamento?

Segundo o advogado especialista em plano de saúde Elton Fernandes, o juiz costuma conceder uma tutela de urgência, chamada liminar, logo no início do processo, para garantir que o pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pelo plano de saúde Sul América.

 

 

Na maioria dos casos, em 48 horas, a Justiça costuma deferir esse tipo de liminar para que o paciente tenha acesso ao medicamento rapidamente e possa iniciar seu tratamento. Na sentença a seguir, a liminar que já tinha sido deferida sofreu um recurso, no qual o Juiz estabeleceu que a decisão deveria ser mantida:

 

Agravo de instrumento. Ação de obrigação de fazer cumulada com pedido de indenização por danos morais. Decisão que deferiu tutela provisória de urgência para compelir a seguradora ré a fornecer os medicamentos Carboplatina, Paclitaxel e Pembrolizumab, prescrito no contexto de tratamento de neoplasia maligna metastática de pulmão. Inconformismo da ré. Não acolhimento. Existência de prescrição médica e vigência do vínculo contratual comprovados. Probabilidade do direito, perigo de dano e interesse processual evidenciados. Decisão mantida. Recurso não provido.

 

Além disso, agregou à decisão um pedido de indenização por danos morais. Ou seja, o paciente conseguiu ter o acesso ao medicamento e ainda foi ressarcido pelos constrangimentos que sofreu. Não deixe de procurar auxílio especializado e lutar pelose seus direitos na Justiça.

 

Como faço para entrar em contato com o escritório?

 

O escritório Elton Fernandes - Advocacia Especializada em Saúde está preparado para ajudá-lo e orientá-lo durante todo o processo judicial contra o seu plano de saúde. Além disso, atuamos em ações contra SUS, seguros e processos relacionados a erros médico e erros odontológicos.

 

Não importa se seu plano de saúde é Bradesco, Sul América, Unimed, Unimed Fesp, Unimed Seguros, Central Nacional, Cassi, Cabesp, Notredame, Intermédica, Allianz, Porto Seguro, Amil, Marítima Sompo, São Cristóvão, Prevent Senior, Hap Vida ou qualquer outro plano de saúde, pois todos têm obrigação de fornecer o medicamento.

 

Se seu plano de saúde recusou qualquer procedimento ou tratamento, fale conosco. Para falar com um dos nossos especialistas, você pode enviar um e-mail para contato@eltonfernandes.com.br. Caso prefira, ligue para (11) 3141-0440 envie uma mensagem de Whatsapp para (11) 97751-4087 ou então mande sua mensagem abaixo.

 

Siga nossas redes sociais e saiba mais sobre Direito da Saúde:

Pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pela Sul América   Facebook     Pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pela Sul América Instagram    Pembrolizumabe (Keytruda) deve ser coberto pela Sul América Youtube

 

Acompanhe o Dr. Elton Fernandes, especialista em ações contra planos de saúde, na imprensa:

 Elton Fernandes no programa Mulheres            Elton Fernandes no programa Santa Receita        https://www.eltonfernandes.com.br/uploads/tinymce/uploads/Radio-justica.png

Fale com a gente