Lenalidomida - Plano de saúde Sul América cobre lenalidomida

Lenalidomida - Plano de saúde Sul América cobre lenalidomida

 

 

Uma das principas reclamações entre os segurados dos planos de saúde é a negativa de cobertura para tratamentos com, por exemplo, lenalidomida (Revlimid). Afinal, o plano de saúde Sul América cobre lenalidomida (Revlimid)? Quais as obrigações dos planos de saúde?

 

Lenalidomida, medicamento conhecido comercialmente pelo nome Revlimid, tem sido regularmente receitado por médicos para o tratamento de mieloma múltiplo e outras doenças, a critério do médico de confiança do paciente, não podendo a operadora de saúde intervir na prescrição médica.

 

Sendo assim, esse medicamento torna-se urgente nos casos em que o médico opta pelo seu uso, devendo ser fornecido pelas operadoras de saúde de todo país, pouco importando se grande ou pequena.

 

Recentemente, em 2017, o lenalidomida teve seu registro sanitário aprovado pela Anvisa, o que, segundo o advogado especialista em plano de saúde Elton Fernandes, é necessário para que se possa ingressar na Justiça contra o plano de saúde para requerer o tratamento com Lenalidomida (Revlimid), ou qualquer outra medicação.

 

Mesmo sendo um medicamento de uso essencial, podendo a falta do tratamento com a substância causar a morte do paciente, muitas vezes, a operadora de plano de saúde Sul América nega o custeio do tratamento com o medicamento Lenalidomida (Revlimid) ao usuário do plano por não constar no rol da ANS.

 

Se o plano de saúde Sul América negou o fornecimento do Lenalidomida (Revlimid) a você por algum desses fatores ou quaisquer outros, confira neste artigo do escritório Elton Fernandes - Advocacia Especializada em Saúde o que pode ser feito com a ajuda de um advogado especialista em plano de saúde!

Continuar Lendo

 

O plano de saúde Sul América negou o fornecimento do Lenalidomida (Revlimid) por não constar no rol da ANS. A Justiça condena a operadora nesse caso?

Sim. Sempre que houver indicação médica, a Justiça considera que plano de saúde é responsável por oferecer o medicamento Lenalidomida (Revlimid), mesmo que o tratamento do seu quadro não esteja presente explicitamente no rol da Agência Nacional de Saúde.

 

Assim, o plano de saúde/seguro saúde Sul América cobre Lenalidomida (Revlimid) mesmo ausente do rol da ANS, bem como exames e procedimentos ausentes da lista também devem ser cobertos. Confira no vídeo abaixo o que fazer em caso de negativa de cobertura:

 

 

Segundo o especialista em plano de saúde, Elton Fernandes, “só o seu médico é capaz de estabelecer qual é a melhor terapia para o tratamento do seu quadro clínico”, portanto a Justiça entende de que o rol da ANS é apenas exemplificativo nesse caso. Assim, a Justiça certamente pode garantir o medicamento.

 

Meu tratamento já foi iniciado e o plano de saúde Sul América se recusa a fornecer o medicamento Lenalidomida (Revlimid). O que fazer?

Não tenha dúvida se o plano de saúde Sul América cobre Lenalidomida (Revlimid): em caso de negativa, você deve ingressar com um processo na Justiça para requerer o fornecimento desse medicamento junto à operadora Sul América, ou qualquer outro plano de saúde.

 

Não raramente, a Justiça determina que os planos de saúde custeiem o medicamento lenalidomida em casos de pacientes cujo tratamento já se iniciou. Inclusive, esse fator agrava substancialmente o caso, pois há o que se chama de perigo de dano, já que há o risco de morte do usuário, como vemos na sentença a seguir:

 

AGRAVO DE INSTRUMENTO. PLANO DE SAÚDE. AÇÃO COMINATÓRIA. Agravada que é portadora de Mieloma Múltiplo. Interrupção do fornecimento de medicamentos quimioterápicos. Lenalidomida (Revlimid). Tutela de urgência concedida no primeiro grau. Inconformismo da operadora de saúde. TUTELA DE URGÊNCIA. Circunstâncias que, prima facie, evidenciam a presença dos requisitos que autorizam a concessão da tutela de urgência. Probabilidade do direito invocado. Abusividade da recusa de cobertura, ao menos em sede de cognição sumária. Tratamento prescrito por médico especialista. Rol de coberturas obrigatórias da ANS que tem natureza meramente exemplificativa. Interrupção no fornecimento que viola a boa-fé contratual. Dever de fornecimento de medicamentos antineoplásicos. Perigo de dano. Necessidade de manutenção do tratamento já iniciado, sob pena de risco de morte da paciente. Reversibilidade da medida. Decisão mantida. RECURSO NÃO PROVIDO

 

Já solicitei o fornecimento do lenalidomida pelo plano de saúde Sul América, mas foi negado. O que devo fazer?

 

Se você já solicitou o fornecimento do medicamento, e a operadora de plano de saúde respondeu com uma negativa, não perca tempo com pedidos de reanálise, por exemplo. Peça ao seu médico um relatório detalhado do seu quadro clínico e a necessidade do tratamento com Lenalidomida (Revlimid), procure um advogado especialista em plano de saúde e entre na Justiça.  

 

Quando pacientes recorrem à Justiça, em um curto tempo, conseguem o subsídio do remédio através do plano de saúde Sul América, por meio de uma liminar. Isso faz com que você possa ter acesso ao tratamento antes do final do processo, assegurando-lhe sua saúde. Quer saber um pouco mais sobre a liminar? Veja o vídeo:

 

 

Quais são os requisitos para a Justiça condenar o plano de saúde Sul América a custear meu tratamento com lenalidomida?

 

Mesmo que a ANS não apresente o tratamento do seu quadro clínico como um procedimento padrão, o seu médico, como bem afirma o advogado especialista em plano de saúde Elton Fernandes,com o que se chama de medicina baseada em evidências, tem conhecimento sobre a eficácia daquele medicamento no tratamento de uma doença que não está na bula” ressalta.

 

Para acionar a Justiça reivindicando o custeio de seu tratamento com Lenalidomida (Revlimid) por parte da operadora Sul América, o principal requisito é que o medicamento tenha registro sanitário na Anvisa – e, desde 2017, essa substância já tem esse registro.

 

Em quanto tempo a Justiça condena o plano de saúde Sul América a fornecer o medicamento Lenalidomida para o meu tratamento?

 

O juiz costuma conceder a liminar logo no início do processo. Muitas vezes, em 48 horas, a Justiça costuma deferir esse tipo de liminar, uma vez que se considera uma solicitação urgente, pelo risco iminente de morte do usuário pela falta do tratamento.

 

Então, para que o paciente possa ter acesso ao medicamento rapidamente, a Justiça costuma decidir pelo deferimento da liminar, obrigando a operadora Sul América a subsidiar o medicamento para seu tratamento, sob pena de multa, inclusive, caso descumpra essa decisão judicial.

 

Fale com um especialista e lute pelo seu direito

Está buscando ajuda profissional para saber se o plano de saúde Sul América cobre lenalidomida no seu caso? Os especialista do escritório Elton Fernandes – Advocacia Especializada em Saúde estão preparados para te atender e orientar

 

Não importa se seu plano de saúde é Bradesco, Sul América, Unimed, Unimed Fesp, Unimed Seguros, Central Nacional, Cassi, Cabesp, Notredame, Intermédica, Allianz, Porto Seguro, Amil, Marítima Sompo, São Cristóvão, Prevent Senior, Hap Vida ou qualquer outro plano de saúde, pois todos têm obrigação de fornecer o medicamento.

 

Para falar com um dos nossos especialistas, você pode enviar um e-mail para contato@eltonfernandes.com.br. Caso prefira, ligue para (11) 3141-0440 envie uma mensagem de Whatsapp para (11) 97751-4087 ou então mande sua mensagem abaixo.

 

Siga nossas redes sociais e saiba mais sobre Direito da Saúde:

Lenalidomida - Plano de saúde Sul América cobre lenalidomida    Facebook     Lenalidomida - Plano de saúde Sul América cobre lenalidomida  Instagram    Lenalidomida - Plano de saúde Sul América cobre lenalidomida  Youtube

Acompanhe o Dr. Elton Fernandes, especialista em ações contra planos de saúde, na imprensa:

 Elton Fernandes no programa Mulheres            Elton Fernandes no programa Santa Receita        https://www.eltonfernandes.com.br/uploads/tinymce/uploads/Radio-justica.png

Fale com a gente